Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015
SP: Queda das vendas de vestuário e calçados prejudica resultado do varejo no ABC SP: Queda das vendas de vestuário e calçados prejudica resultado do varejo no ABC
O varejo da região do ABC, composta por sete municípios, ficou com o segundo pior desempenho do Estado de São Paulo, em outubro de 2014. O faturamento na região registrou R$ 2,6 bilhões no mês, recuo de 8% na comparação com outubro de 2013. No acumulado do ano, a perda foi de 7,7%. Já em relação a setembro de 2014, no entanto, o faturamento avançou 9,4%.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) segundo informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

A região representou 5,64% do comércio varejista do Estado. Na análise por atividade, as lojas de vestuário, tecidos e calçados foram as que mais impactaram negativamente no resultado geral. A retração em outubro foi de 30,8%, a maior do mês entre os dez segmentos pesquisados, e contribuiu com -4,1 pontos porcentuais na retração geral. Outra atividade que influenciou a perda no mês foi a as concessionárias de veículos, com queda de 15,5% e impacto negativo de 2,6 pontos porcentuais.

Somente o setor de materiais de construção conseguiu um resultado positivo no mês. As vendas do segmento avançaram 15,4%, colaborando com 1,1 ponto porcentual no resultado geral da região, evitando que a variação fosse ainda mais negativa.

Desempenho estadual

O comércio varejista paulista registrou faturamento real de R$ 46,7 bilhões em outubro de 2014, valor 3,8% menor na comparação com o mesmo mês de 2013. Já em relação a setembro de 2014, a receita apurada foi 5,4% superior. Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) segundo informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

Com essa nova retração, o índice de queda acumulado no ano passou de 2,4% até setembro para 2,6% nos dez primeiros meses de 2014. É o mais baixo índice acumulado no ano. Na avaliação da assessoria econômica da FecomercioSP, essa nova queda mensal - na comparação anual - consolidou a tendência de retração no nível da receita do varejo paulista em 2014 em relação a 2013. É também motivo de apreensão, já que as quedas de movimento ocorreram em sete das dez atividades pesquisadas, justamente no primeiro mês do último trimestre - o período tradicionalmente mais forte do comércio em razão das festas de fim de ano.

O mau desempenho de quatro das dez atividades pesquisadas foi o principal responsável pelo recuo nas vendas do varejo geral na comparação com outubro de 2013. São elas: concessionárias de veículos (-21,5%), lojas de móveis e decoração (-8,5%), lojas de materiais de construção (-8,2%) e lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (-6,9%). Juntos, esses setores contribuíram em 4,7 pontos porcentuais com a retração geral. Mereceu destaque também a queda 4,8% no faturamento das lojas de vestuário, tecidos e calçados.

Contribuíram de forma positiva para o resultado geral apenas três atividades, todas ligadas a bens de consumo essencial e independentes de crédito: as farmácias e perfumarias colaboraram com o aumento de 7,3% em suas vendas; outras atividades, em que são preponderantes as vendas de combustíveis, conseguiram expandir o faturamento mensal em 4,7%; e supermercados, que elevaram a receita em 0,2%, recuperando-se após duas quedas de vendas sucessivas.

No desempenho por região, apenas quatro das 16 localidades pesquisadas conseguiram registrar índices positivos em outubro: Jundiaí (5,2%), Sorocaba (2,3%), Araraquara (1,7%) e Osasco (0,4%). As outras 12 apresentaram quedas de vendas. A maior retração ocorreu na capital paulista, cujas vendas caíram 8,2% em comparação a outubro do ano anterior.

Para a FecomercioSP, o resultado negativo em outubro confirma o mau momento do consumo no Estado de São Paulo. A expectativa era de que outubro revertesse essa tendência, mesmo com crescimento menor. Contudo, o mau desempenho em 2014 de fatores determinantes do consumo - baixos crescimentos da renda, do emprego e do crédito - indica que uma reversão do quadro atual das vendas varejistas tende a ser improvável no médio prazo. A inflação em patamar elevado e alvo de severas ações de política econômica a partir de janeiro colaboram para o cenário desfavorável de vendas também em 2015.

Nota metodológica

A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) utiliza dados da receita mensal informada pelas empresas varejistas ao governo paulista por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

As informações, segmentadas em 16 Delegacias Regionais Tributárias da Secretaria, englobam todos os municípios paulistas e dez setores (autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de departamentos; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados; e outras atividades).

Os dados brutos são tratados tecnicamente de forma a se apurar o valor real das vendas em cada atividade e o seu volume total em cada região. Após a consolidação dessas informações, são obtidos os resultados de desempenho de todo o Estado.
Fonte: reporterdiario.com.br
Tags: Vendas, Vestuário, Calçados, Resultado do varejo, Abc, São paulo, Faturamento, Pccv
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
comércio crédito supermercados indústria são paulo economia veículos franquias e-commerce ecommerce shoppings varejo consumo ipi comércio eletrônico inadimplência vendas faturamento natal preços

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront