Quarta-feira, 07 de Janeiro de 2015
As tendências de consumo para 2015 As tendências de consumo para 2015
2015 chegou e com ele algumas mudanças no mundo dos negócios e, claro, em suas tendências. Com base nisso, a consultora de tendências da Mintel, Renata Moura, relatou as quatro principais tendências que serão responsáveis por impactar o consumo no país ao longo deste ano, indicando áreas de oportunidade comercial para as empresas.

Questões de Gênero em Pauta, Busca pela Felicidade, Lute por seus Direitos e Fique Conectado são as quatro tendências identificadas pela Mintel que irão pautar os negócios ao longo deste ano.

Confira abaixo as orientações e os desafios identificados por Renata Moura:

1) Questões de gênero em pauta

“As pessoas estão questionando as noções tradicionais de gênero, rejeitando as restrições de estereótipos e abraçando a liberdade de serem elas mesmas e fazerem o que quiserem. Globalmente, as conversas sobre o poder feminino, o papel do homem moderno e expressão de gênero são cada vez mais constantes. No âmbito internacional, a ONU e a União Europeia incluem a questão de gênero como parte de suas metas de direitos humanos. Enquanto os EUA veem a ex-secretária de Estado Hillary Clinton como uma candidata potencial à presidência em 2016, o Brasil tem uma mulher como presidente. Concomitantemente, a melhoria das condições socioeconômicas no Brasil vê mais representantes do sexo feminino adiando a maternidade e tendo menos filhos. Com mais mulheres fora de casa, nós vemos marcas mostrarem as habilidades do homem ideal, incluindo a limpeza da casa e ser um bom pai. Enquanto isso, a aparência sobe na lista de prioridades do consumidor masculino, o qual virou alvo das marcas de cosméticos e cuidados pessoais.

Dados da Mintel mostram mudanças no comportamento do consumidor que refletem na adoção de novas atitudes, especialmente em relação à divisão de tarefas domésticas e equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Percebe-se que as mulheres brasileiras precisam de ajuda para equilibrar seus horários. De fato, pesquisa Mintel revela que os homens e as mulheres gastam quase o mesmo tempo no trabalho, em locomoção, e em atividades de lazer. Além disso, as mulheres ainda gastam uma média de 3 horas fazendo as tarefas diárias de casa todo dia, em comparação com as 1.6 horas relatadas pelos homens. Ao mesmo tempo, os homens desafiam estereótipos tradicionais sobre cuidados pessoais, já que 75% deles disseram que iriam definitivamente cuidar melhor de sua aparência em 1014.

Discussões e controvérsias em relação as questões de gênero irão captar a atenção do mundo em 2015, à medida que as pessoas enfatizarão o progresso feito por parte dos governos e empresas. Também veremos uma continuação da atenção à maneira que elas são representadas na mídia e publicidade. Vozes em toda a internet vão chamar a atenção para a forma como marcas mostram os diferentes papéis sexuais em suas comunicações, examinando os exemplos estereotipados e elogiando as ações progressistas. Agora é o momento do marketing mostrar que entende das modernas percepções de gênero dos consumidores. As questões de gênero não vão embora tão cedo, mas seus aspectos restritivos irão”.

2) Busca pela felicidade

“O bem-estar emocional está se tornando o pilar da saúde e do bem-estar, fazendo com que as pessoas busquem ativamente a felicidade e procurem itens que melhorem seu humor e estilo de vida.

O crescimento da economia brasileira entre 2010 e 2013 veio acompanhado por um aumento de gastos. Esses consumidores de classe média são, agora, capazes de comprar produtos e serviços aos quais, antes, não tinham acesso, beneficiando um número cada vez maior de mercados. A Mintel revela que os brasileiros planejaram fazer mudanças em suas vidas até o final de 2014. Dessa forma, marcas e serviços também podem ter um papel mais ativo em atender às demandas desses consumidores, principalmente por meio de soluções que visam mudar o seu humor e os fazem sentir mais seguros.

Em 2014, a prioridade dos brasileiros foi cuidar melhor de sua aparência, com 75% dos adultos dizendo que certamente iriam se concentrar nesse quesito. Mas nem todos os objetivos foram relacionados à aparência, passar o tempo com a família esteve nos planos de 74% dos adultos. Portanto, o mercado de entretenimento em casa pode ser impulsionado. As instituições financeiras também podem ter um papel nessa busca do brasileiro por segurança já que 73% dos adultos afirmaram que certamente iriam resolver as suas finanças até o final deste ano.

Os brasileiros sentem os benefícios da ascensão econômica do país. A Mintel revela que 13% deles afirmaram, em 2012, que “manter um estado mental positivo contribui para uma vida saudável”. Já em 2013, a concordância com essa frase subiu para 22%. Por sinal, a Mintel destaca que quase quatro em cada 10 brasileiros, 38%, que aumentaram a compra de itens de uso diário em 2013 fizeram isso para agradar a si próprio. E 21% compraram produtos para outras pessoas com mais frequência do que costumavam. Metade dos brasileiros, 50%, planeja gastar dinheiro extra em atividades de lazer.

Como há melhorias no padrão de vida da população brasileira, isso cria uma situação em que os consumidores associam o bem-estar emocional com um aspecto saudável. O comportamento do consumidor vai de compartilhar sentimentos felizes no Facebook à compra de um produto de cuidado pessoal que promete trazer benefícios de humor. Em 2015, vamos ver mais possibilidades para as marcas oferecerem felicidade aos seus clientes. Isso pode significar desde a criação de produtos que proporcionem um tratamento prazeroso, promovam um clima jovial ou criem uma atmosfera relaxante. Como a Mintel revela que os brasileiros gastam quase duas horas se locomovendo por dia, uma oportunidade específica reside na redução do estresse do deslocamento para o trabalho. As empresas poderiam desenvolver alimentos, bebidas, meios de comunicação e produtos de cuidados pessoais que ofereçam melhorias no humor, ou entretenimento, para ajudar os consumidores a lidarem com o tráfego ou o transporte público lotado.

Como os brasileiros estão empregando abordagens mais ousadas ​​em sua busca por contentamento, as marcas não precisam ser excluídas. As empresas que adotarem um papel ativo no apoio aos consumidores em sua busca pela felicidade provavelmente vão colher recompensas na economia local”.

3) Lute por seus direitos

“A crescente consciência dos direitos dos clientes e do mau comportamento corporativo fará com que os consumidores exijam mais igualdade e justiça das empresas. Ao mesmo tempo, mais companhias consultarão os consumidores para saber o que eles querem.

Em 2014 e 2013, movimentos de cidadãos exigindo seus direitos chamou a atenção do mundo: milhares de brasileiros foram as ruas protestar, entre os motivos estava o mal uso dos gastos públicos voltados a Copa do Mundo, houve um boicote nos EUA à marca de vodka Stolichnaya depois que rigorosas leis contra lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros foram aprovadas na Rússia e a campanha #BringBackOurGirls tornou-se viral após o sequestro de várias meninas na Nigéria.

Os consumidores estão exigindo mais informações, responsabilidade e prestação de contas das empresas. As companhias têm reconhecido essa mudança de comportamento. A rede de supermercados Pão de Açúcar, por exemplo, fez campanha para melhorar as praias do Rio de Janeiro e a Unilever trabalha na melhoria do sistema de saneamento no Nordeste. Essas campanhas criam a expectativa que as empresas devem passar uma informação franca. Caso os consumidores sintam que as empresas não sejam verdadeiras, eles estão dispostos a se organizar, mesmo que seja por meio de uma hashtag.

Globalmente, a especulação sobre práticas corporativas é alta. Pesquisa da Mintel revela que apenas metade, 49%, dos consumidores do Reino Unido confia que seu banco lhes dê um tratamento justo. Já nos EUA, 31% dos proprietários de pequenas empresas afirmam que as grandes companhias os motivam a ser um melhor pequeno empresário. No Brasil, a pesquisa da Mintel mostra como as ações de uma empresa podem influenciar as escolhas dos compradores. Por exemplo, 77% dos consumidores brasileiros de refrigerantes pagariam mais por uma marca que fosse sustentável.

A necessidade de ser ouvido é crescente, especialmente porque ser informado e ativo não são mais requisitos para protestar. Cliqueativismo, ou a capacidade de assinar petições online, assistir a um vídeo viral ou "curtir" uma causa oferece às pessoas a sensação de que elas têm o poder de engajamento, sem despender muito esforço.

Os consumidores também vão ser mais cuidadosos, por exemplo, ao exigir mais detalhes sobre ingredientes em alimentos, bebidas e produtos de beleza. Enquanto buscam e acham informações claras em blogs e aplicativos, as empresas também não podem deixar de se comunicar com seus clientes. De fato, as companhias que não são pró-ativas, ou são vistas como hipócritas, podem sofrer com protestos contra suas ações. Consequentemente, as empresas também podem se esforçar mais para consultar potenciais clientes sobre seus produtos, campanhas e promoções. Ignorar a vontade das pessoas pode promover um crescimento em boicotes”.

4) Fique Conectado

“O mundo dos dispositivos sincronizados e da tecnologia para vestir vai se popularizar, à medida que mais empresas se juntam a revolução da coleta de dados.

A rede ampliada de aplicativos de smartphones e aparelhos portáteis atrai os consumidores, pois promete conforto e faz com que eles economizem tempo e dinheiro. Os consumidores estão, cada vez, mais acostumados com tecnologia, usando, por exemplo, aplicativos de monitoramento de ônibus em seus celulares, como "Cadê o Ônibus?" e o Moovit. A interatividade também não é limitada somente a dispositivos de alta tecnologia, como a marca de sopas Knorr, que trouxe códigos QR para receitas personalizadas em luvas, aventais, toalhas e ímãs de geladeira.

A tecnologia para vestir criou um novo campo de coleta de dados pessoais que amplia os horizontes da nossa cultura digital narcisista, adicionando análise gerada por números e potencial de competição.

A pesquisa da Mintel detectou que aparelhos eletrônicos são extremamente desejados entre os jovens consumidores do Brasil, já que cerca de 21% dos adultos com idades entre 16 e 24 anos, que vivem com seus pais, planejam comprar equipamentos como televisão de tela LED, laptops ou smartphones a curto prazo. Para os apaixonados por tecnologia no Brasil, os dispositivos inteligentes podem ajudar os consumidores a rastrear a chegada de suas compras online, já que um em cada cinco, 19%, brasileiros diz que algumas encomendas online demoram para ser entregues. A tecnologia também está sendo usada para transpor as barreiras da língua, o que ganha importância com a realização de eventos como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos de 2016. Aliás, menus eletrônicos foram disponibilizados em diferentes idiomas durante o torneio mundial de futebol.

A partir de 2015, veremos dispositivos inteligentes avançando em novas fronteiras. Mundialmente, em alguns países, a tecnologia para vestir já é uma realidade. Nos Estados Unidos, por exemplo, 22% dos consumidores afirmam ter comprado um aparelho como um smartwatch ou a Fitbit nos últimos dois anos. A tecnologia para vestir terá que transcender a conveniência da conectividade e ser, ao mesmo tempo, segura e elegante. Ao mesmo tempo, os sistemas de casa inteligente vão ter que ir além do conceito de utilitários econômicos, e abranger ambiente e decoração, como o que vem fazendo o sistema de iluminação Philips ‘Hue’ LED, o qual permite o controle da luz por meio de um smartphone ou tablet.

Em relação aos softwares, atualizações do sistema operacional da Apple e Microsoft são esperados, os quais vão promover sinergia de compartilhamento de dados e incorporar novas funcionalidades, incluindo o reconhecimento de gestos. Como os consumidores se tornam mais cautelosos em colocar dados pessoais na nuvem e em outros servidores, a segurança vai continuar a ser uma grande preocupação”.
Fonte: Portal Administradores
Tags: Tendências, Consumo, 2015, Comportamento
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
consumo indústria veículos economia inadimplência preços ipi shoppings crédito vendas comércio franquias comércio eletrônico ecommerce são paulo faturamento natal supermercados varejo e-commerce

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront