Sexta-feira, 12 de Setembro de 2014
Juros futuros recuam com dados ruins do varejo Juros futuros recuam com dados ruins do varejo
São Paulo - Os juros futuros iniciaram a sessão em queda consistente nesta quinta-feira, 11. Pouco antes do início dos negócios, o Banco Central divulgou a ata da sua última reunião, onde adotou um tom mais ameno em relação à inflação e reforçou a percepção de atividade mais fraca.

Além disso, há pouco o IBGE divulgou o resultado das vendas do varejo em julho, que vieram bem pior do que o esperado.

Na ata, o Copom afirma que as projeções para o IPCA caíram nos cenários de referência e de mercado, mas permanecem acima da meta de 4,5%. O Comitê também retirou um trecho que falava da "resistência" de inflação no acumulado em 12 meses, apesar de ter usado o termo em outro contexto, citando especialmente a dinâmica de preços no setor de serviços.

Além disso, o texto diz que as taxas de crescimento da absorção interna e do PIB se alinharam, numa discreta referência à deterioração da economia.

Segundo o estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil, Luciano Rostagno, o fato de o Copom ter tirado da ata a expressão "neste momento", a exemplo do que já havia feito no comunicado informando da decisão de manter a Selic estável, sinaliza claramente que a estratégia agora é manter os juros estáveis nas próximas reuniões.

"A expressão 'neste momento' deixava a porta aberta para um possível aumento de juros. Agora eles diminuíram o tom sobre o cenário inflacionário", comenta. Ele aponta que a ata trouxe poucas mudanças em relação ao documento da reunião anterior, mas mostra que os dados ruins do PIB no segundo trimestre reduziram a preocupação em relação à inflação.

A ata mais "dovish" se somou aos dados fracos do varejo, o que derruba as taxas dos DIs. Às 9h25, a taxa do contrato para janeiro de 2016 estava em 11,42%, de 11,49%. O DI para janeiro de 2017 apontava 11,52%, de 11,60%. E o janeiro 21 indicava 11,39%, de 11,43%.

O IBGE divulgou nesta quinta-feira, 11, que as vendas do comércio varejista restrito caíram 1,1% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal.

O resultado ficou abaixo do piso do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam desde uma queda de 0,60% até uma alta de 1,30%, com mediana positiva de 0,50%.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 0,8%, abaixo da mediana estimada de +1,15%.

Os juros futuros também se ajustam à pesquisa do Datafolha sobre a corrida presidencial divulgada na noite de ontem, que mostrou empate técnico entre presidente Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) em um eventual segundo turno. A correção na renda fixa só não é maior em função da alta do dólar. No horário acima, o dólar à vista no balcão subia 0,26%, a R$ 2,2960.
Fonte: Estadão Conteúdo
Tags: Juros futuros, Dador ruins, Varejo, Banco central, Economia, Inflação
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
crédito economia inadimplência ipi ecommerce franquias preços faturamento veículos comércio eletrônico são paulo consumo comércio natal e-commerce shoppings supermercados varejo indústria vendas

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront