Quinta-feira, 11 de Setembro de 2014
Alta rotatividade: O dilema no varejo Alta rotatividade: O dilema no varejo
A cada ano, quase 50% dos milhares de funcionários das empresas do comércio varejista brasileiro mudam de emprego. Mas porque tamanha rotatividade? Salários pouco atrativos, falta de investimento em treinamento e capacitação e a ausência de programas de benefícios e plano de carreira são algumas das reclamações mais recorrentes por parte dos trabalhadores.

No entanto, muitos varejistas já atentaram para o fenômeno e estão tentando quebrar este paradigma, apostando na profissionalização de suas áreas de gestão de pessoas e Recursos Humanos. “A competitividade está presente em todas as áreas. Mas neste segmento, especificamente, os desafios são imensos. Estamos chegando ao final do ano, época em que o varejo sofre com uma maior demanda e, certamente, sem pessoas capacitadas e motivadas será impossível prestar um atendimento satisfatório ao cliente”, explica o diretor presidente da Sorovale, Giovanni Santini. “Somente em dezembro, o faturamento do setor tende a crescer 90% em relação ao mês anterior, devido ao Natal e Réveillon, de acordo com dados divulgados pelo portal Exame. Neste cenário, mão de obra qualificada é essencial”, explica Santini.

CAMINHOS E SOLUÇÕES

Uma pesquisa realizada pelo site norte-americano Carrer Builder aponta que 49% das pessoas que não desejam abandonar os seus postos de trabalho hoje estão satisfeitas com os benefícios oferecidos pelas empresas. No entanto, além dos benefícios tradicionais, como vale-transporte, vale-refeição e planos médicos, os varejistas também já perceberam que a satisfação do profissional está intimamente ligada à qualidade de vida. “Empresas que se preocupam em oferecer um plano de carreira transparente e, sobretudo, com a qualidade de vida do funcionário, conseguem retê-lo e mantê-lo produtivo com mais efetividade”, explica.

Para Santini, porém, não basta se preocupar apenas com o bem estar físico do quadro funcional. “A vida financeira do indivíduo também interfere diretamente no seu desempenho. Problemas financeiros desencadeiam stress, baixo rendimento e desatenção no ambiente de trabalho. Nesse cenário, investir em educação financeira é imprescindível”, alerta.

Observando este gap nos programas de benefícios mais populares, a Sorovale desenvolveu com exclusividade para o setor varejista Pague Certo! Lojista, que consiste em um cartão com o qual o trabalhador recebe um limite de 30% de sua renda mensal, para utilizar em qualquer estabelecimento credenciado à Sorocred, Cielo, Rede e GetNet, e em mais de 300 mil lojas virtuais, por meio do PagSeguro. “Através de uma parceria recém firmada com a Geração Futuro, corretora de valores do Grupo Brasil Plural, o funcionário também poderá poupar com mais disciplina e regularidade. As aplicações podem ser realizadas com total segurança, sem custos de transferência (DOC ou TED) e com a vantagem do recurso começar a render antes mesmo de ser descontado em folha de pagamento”, destaca Santini.

O cartão, no entanto, não permite saques em dinheiro. O colaborador pode consultar o seu extrato online e gerenciar seus gastos. “O único custo do Pague Certo! é uma tarifa no valor de R$ 4,99, que é descontada do funcionário no mês em que o benefício for utilizado (uma única vez, independentemente da quantidade de compras / utilizações no período). Caso o trabalhador não utilize, nada será cobrado”, informa diretor presidente da Sorovale. “Como o Pague Certo! Lojista, o profissional aprende a lidar com o seu dinheiro. É um conhecimento que extrapola os limites da empresa e o preparam para uma vida realmente melhor e mais equilibrada”, diz.

Além das vantagens para o colaborador, Santini explica que o Pague Certo! Lojista também pode gerar um aumento de receita para o empregador. “Com o Pague Certo! Lojista, o varejista pode criar programas especiais de desconto e fidelidade para compras em seu próprio estabelecimento. Além de fidelizar o funcionário, ele também conquista um novo consumidor”, contemporiza

E para o varejista, a adesão é muito simples. “Após a aprovação em uma análise de crédito, a companhia recebe a certificação, uma senha de acesso para o gerenciamento do benefício e os cartões para distribuir aos seus colaboradores”, destaca o executivo. Na sequência, uma equipe da Sorovale fará um planejamento junto à companhia para a melhor forma de orientação e utilização do benefício. “A fim de conscientizar os funcionários sobre como administrar as suas contas, a nossa equipe se dispõe a ministrar palestras de educação financeira nas dependências da empresa”, complementa.
Fonte: Maxpress
Tags: Rotatividade, Varejo, Turnover
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
shoppings ipi economia comércio inadimplência preços supermercados franquias varejo consumo faturamento são paulo ecommerce comércio eletrônico vendas indústria veículos crédito e-commerce natal

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront