Sexta-feira, 05 de Setembro de 2014
Indústria, varejo e publicidade precisam entender melhor o homem contemporâneo Indústria, varejo e publicidade precisam entender melhor o homem contemporâneo
Estudo da Minds & Hearts indica alguns direcionamentos para atingir esse público
A indústria, o varejo e a publicidade precisam prestar mais atenção às novas demandas do público masculino. Analisado sob diversas óticas pela Minds & Hearts, empresa de pesquisa pertencente a holding HSR, o estudo conclui que embora tenha atitudes e hábitos diferentes das mulheres em vários aspectos, as empresas ainda tratam o homem contemporâneo de maneira única, antiga e estereotipada.

Foram ouvidos na pesquisa qualitativa – num total de 200 horas de gravação - homens e mulheres das classes A, B e C de todo Brasil, envolvendo psicanalistas, psicólogos, jornalistas, neurocientistas, semioticitas e historiadores. Embora a indústria tenha ampliado o volume de produtos lançado a esse público, ficou claro no estudo o quanto as marcas ainda não se aproveitam das reais necessidades dos homens. Existe um código padrão que continua sendo replicado para falar com eles. É o caso, por exemplo, das embalagens em tons como azul, preto ou metálico, com um rótulo estampando as palavras “for men”, sem qualquer outro apelo. Isso, no entanto, não é mais suficiente.

Já nas lojas, o espaço interno ainda é concebido dentro da ótica feminina, sem levar em conta o padrão de compra denominado get in, get it, get out, característico da demanda masculina.

Segue a mesma trilha a publicidade, que tem se prendido fortemente a rótulos e estereótipos. “Metrossexuais, retrossexuais e outros adjetivos são comumente utilizados em anúncios e erram sempre ao criar um estereótipo, ou seja, propor uma verdade que na maioria das vezes não é a da maioria do público alvo”, destaca Naira Maneo, presidente da Minds & Hearts e uma das responsáveis pela pesquisa.

Como fazer, então? - Segundo o estudo, a estratégia mais adequada para atingir o homem moderno é mostrar sempre um equilíbrio entre razão e emoção. Humanizar o homem com visão crítica e bom humor, não focar em gêneros, mas em seres humanos, também pode funcionar.

A utilização de palavras mais adequadas ao sexo masculino é outro elemento da comunicação destacado na pesquisa. “Evitar termos que façam referência ao universo feminino é uma boa maneira de atrair os homens para a compra desses produtos”, ressalta. O fundamental é tratar de questões mais reais e humanas, fazendo uma comunicação e propaganda para falar com homens de verdade, homens que hoje estão se permitindo experimentar mais, seja em sentimentos, em comportamento ou em consumo.
Fonte: Maxpress
Tags: Indústria, Varejo, Publicidade, Homem contemporâneo
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
ecommerce crédito franquias economia veículos faturamento são paulo consumo varejo natal shoppings comércio preços e-commerce inadimplência supermercados ipi indústria comércio eletrônico vendas

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront