Quarta-feira, 03 de Setembro de 2014
Foco e marketing são essenciais para sucesso no e-commerce Foco e marketing são essenciais para sucesso no e-commerce
O Comércio eletrônico brasileiro movimentou R$ 16 bilhões apenas no primeiro semestre de 2014, uma alta de 26% em relação ao mesmo período do ano passado. Os números, divulgados pela empresa E-bit, mostram que investir no setor pode ser um ótimo negócio. No entanto, para evitar fracassos, é preciso que o empreendedor planeje muito bem todos os detalhes da sua empresa, desde a escolha do foco do negócio até a plataforma que será utilizada.

Enquanto nos Estados Unidos e na Inglaterra o e-commerce já é usado por 90% da população, no Brasil ele ainda fica restrito a 25% dos consumidores, o que significa que ainda há muito potencial para expansão, afirma Marcio Eugênio, especialista em e-commerce e sócio fundador da Loja D Virtual, que desenvolve ambientes de comércio virtuais para micro e pequenas empresas. “Estas tendências às vezes demoram alguns anos para se concretizar por aqui, mas é fato que o Brasil tem um grande potencial de expansão, e o mercado vem crescendo consistentemente desde 2009, com taxas superiores a 20%. É, sim, um ótimo investimento”, explica Eugênio.

Ele alerta, no entanto, que muitas pessoas estão entrando desavisadas neste meio, e correm um grande risco de fracassar. Para Marcio, um dos principais erros cometidos pelos novos empreendedores do setor é a falta de foco. “Não dá para atender a todos, é preciso inicialmente escolher um nicho bem específico. Ao invés de vender todo tipo de artigo esportivo, é melhor focar apenas em tênis para corrida de aventura, por exemplo”, afirma o especialista.

Com isso, acrescenta Eugênio, o empresário passa a oferecer produtos especializados que não existem nas grandes redes de e-commerce, dá um atendimento diferenciado e ainda terá condições de manter um bom estoque, pois a quantidade de modelos será bem menor.

Outro problema apontado pelo especialista é levar a mentalidade do comércio físico para o meio online, e investir mais em estoque do que em publicidade. “Na internet isso não funciona, ninguém vai comprar se não souber que sua loja existe. É preciso investir em ferramentas de marketing e segmentar os anúncios para o seu público. Isso pode ser feito por meio de anúncios vinculados a buscas do Google ou propagandas no Facebook de acordo com os hábitos e interesses específicos”, diz Eugênio.

Detalhes fundamentais

O empreendedor também precisa ser criterioso na escolha de outros componentes fundamentais do seu negócio online, como a plataforma, as formas de pagamento, os canais de comunicação com o cliente e a modalidade de entrega. Para Eugênio, a melhor plataforma é aquela que atende às necessidades do seu cliente. “Por isso, antes de escolher uma, você precisa ter muito bem definido qual é o seu público e, com base nisso, buscar aquelas que oferecem os recursos apropriados. Se você for vender para jovens, por exemplo, é fundamental encontrar uma que interaja com redes sociais”, esclarece o especialista.

Já em relação às formas de pagamento, ele defende que, quanto mais opções oferecidas ao consumidor, melhor. No entanto, como cerca de 80% das vendas online são feitas por meio de cartão de crédito, contar com pelo menos uma bandeira é essencial para o negócio. “Outra opção é investir em facilitadores como PagSeguro, mas de forma complementar. Apesar de versáteis, eles cobram taxas maiores do vendedor e desestimulam muitos consumidores, por exigirem realização de um novo cadastro. Algumas pessoas acabam abandonando no meio do caminho”, pondera Eugênio.

O especialista também recomenda que a empresa mantenha ao menos um telefone para atendimento ao consumidor, pois muitas pessoas ligam apenas para saber há uma pessoa do outro lado e comprovar que o negócio existe mesmo. Um chat para tirar dúvidas em tempo real também é uma ferramenta importante para dar credibilidade.

Finalmente, Eugênio lembra que é preciso ter uma boa estratégia de logística. Segundo ele, cerca de 85% das entregas são feitas pelos Correios, mas a estatal impõe algumas restrições em relação a tamanho e peso do produto, e às vezes pode ser necessário buscar uma outra empresa. “Neste caso, uma boa dica é buscar referências com outras empresas que usam o serviço na sua região. Algumas entregadoras têm boa reputação, mas podem não atender bem determinadas localidades. E se ela falhar com o seu cliente, o dano recairá sobre a imagem da sua empresa”, finaliza.
Fonte: Portal Terra - Sebrae
Tags: Marketing, Sucesso, Ecommerce, Comércio eletrônico, E-bit, Empreendedorismo
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
franquias e-commerce inadimplência varejo comércio eletrônico preços consumo faturamento crédito natal veículos indústria ecommerce vendas economia shoppings supermercados comércio ipi são paulo

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront