Sexta-feira, 01 de Agosto de 2014
Com bons salários nas grandes lojas e chance do negócio próprio, e-commerce cresce sem parar Com bons salários nas grandes lojas e chance do negócio próprio, e-commerce cresce sem parar
Você, muito provavelmente, já fez alguma compra pela internet. E não é por acaso: trata-se de um mercado que não para de crescer, tendo faturado, só no Brasil, R$ 28,8 bilhões no ano passado. E, das 9,1 milhões de pessoas que compraram online em 2013, metade o fez pela primeira vez — ou seja, é mesmo um setor em franca expansão. Com qualquer tipo de formação, quem quiser beliscar uma fatia desse bolo virtual conta com diversos cursos de especialização.

— Todas as grandes lojas que têm um espaço físico, hoje, também estão na web, apresentando e vendendo seus produtos — explica o professor Leonardo Amato, do MBA em Administração de Marketing e Comunicação Empresarial da Universidade Veiga de Almeida (UVA).

Além das vagas nas maiores empresas, onde um profissional de e-commerce (expressão em inglês para comércio eletrônico) pode ganhar até R$ 20 mil por mês, quem se embrenha pela área também tem a chance de investir em um negócio próprio. É o caso, por exemplo, do carioca Vinicius Costa, de 33 anos, que estudou muito antes de abrir sua loja virtual de bebidas gourmet. O sucesso do empreendimento transformou-se em espaço físico, na Tijuca, e o Cerveja Social Clube comercializa hoje mais de 300 rótulos.
— Mesmo assim, o online segue tendo muita força, pois podemos entregar em locais onde os produtos do nosso catálogo normalmente não chegariam. Conhecer bem esse setor foi fundamental pra mim — assegura Vinicius.

Cursos, pós ou MBA

Não há, hoje, graduações específicas em e-commerce. O caminho para quem quer investir nessa carreira é buscar cursos de extensão, MBAs ou uma pós sobre o tema. Mas vale o alerta: é preciso ter um perfil compatível, além de se manter sempre atualizado.

Versatilidade

Para a professora Andrezza Carvalho, do Instituto de Gestão e Comunicação (IGC), o profissional da área precisa ser versátil. “É bom entender da tecnologia, de marketing, sobre comportamento do consumidor, de logística e estratégia”, enumera ela.

Remuneração alta

Em empresas menores, o salário de um especialista em e-commerce costuma ser mais baixo do que nas grandes lojas. Ainda assim, está acima da média de outros setores: a remuneração pode variar de R$ 3 mil a R$ 10 mil, além da participação nas vendas.
Fonte: Extra
Tags: Bons salários, Negócio próprio, Ecommerce
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
e-commerce natal vendas crédito shoppings franquias comércio inadimplência preços varejo ecommerce faturamento supermercados veículos economia comércio eletrônico indústria são paulo consumo ipi

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront