Segunda-feira, 03 de Abril de 2017
Negócio digital tem custo menor, mas exige planejamento Negócio digital tem custo menor, mas exige planejamento
Em tempos de turbulência econômica, uma porta de saída da crise é conseguir ser bem-sucedido nos negócios. Uma boa oportunidade de aposta é o campo digital. Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABBCOM), o faturamento do setor de e-commerce na Bahia girou em torno de R$ 1,49 bilhão em 2015, último dado disponível.

Montar um negócio online, na maioria dos casos, significa menos encargos e burocracia, mas nem por isso quer dizer que seja fácil colocar sua marca na internet. Vice-presidente da ABBCOM, Rodrigo Bandeira destaca que é preciso planejar e estudar o mercado.

“É preciso definir o segmento, sua cadeia de fornecedores, se será do Brasil ou fora do Brasil, como é o time em relação a chegada de mercadorias, vou ter estoque próprio? Vou terceirizar minha operação? Definido o planejamento, os prós e os contras, é preciso pensar como prospectar clientes. O negócio online precisa de um engajamento maior, pessoas especializadas de serviços de marketing. É preciso definir o norte”, afirma o especialista.

Loja física x online
Uma das grandes diferenças das lojas físicas para online está no custo. Na internet, as empresas não têm os gastos fixos, como IPTU, luz e aluguel do ponto físico, água, luz, etc. Mas o gerente da unidade de Acesso a Mercado do Sebrae, José Nilo Meira, destaca que é preciso investir em outras frentes para conseguir alavancar o negócio.

“É preciso pensar o formato, se é um site amigável, seguro, se você vai ter um produto que o cliente precisa, se a logística vai ter a agilidade que você prometeu, o controle do estoque, processo de distribuição e logística”, diz Meira.

Sócio da loja de presentes Canecas Pontocom, Fabio Santana fechou seu ponto comercial no ano passado e decidiu apostar apenas nas vendas pela internet. Na época, ele gastava cerca de R$ 1,2 mil com a estrutura física. Quase um ano depois, ele conta que o faturamento online é praticamente o mesmo. “Eu consigo vender igual à loja física, com um custo menor. É mais vantajoso”, garante. Ele conta que abriu um novo ponto físico na cidade de Conceição do Coité, por ter custos mais baratos do que Salvador, e atualmente fatura cerca de R$ 4 mil por mês em cada loja.

Marketing e credibilidade

Uma outra diferença entre os negócios online e físico está na forma de gerenciar o marketing e no alcance. Rodrigo Bandeira destaca que o e-commerce tem o poder de alcançar pessoas em todo o mundo, mas é preciso estar preparado e conhecer bem o seu público.

“Você tem uma loja funcionando 24 horas por dia, para o mundo inteiro. Tem uma loja que tem um catálogo de produtos que uma loja física não comportaria, além da interação direta com os consumidores”, afirma.
Fonte: www.correio24horas.com.br
Tags: Negócio digital, Comércio eletrônico, Ecommerce, Bahia
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
indústria são paulo crédito inadimplência ipi supermercados comércio eletrônico comércio economia ecommerce varejo franquias shoppings preços natal consumo vendas veículos e-commerce faturamento

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront