Sexta-feira, 10 de Março de 2017
Na disputa do varejo americano, Amazon está levando o jogo Na disputa do varejo americano, Amazon está levando o jogo
NOVA YORK - O setor de varejo nos EUA vem passando por mudanças, com grandes redes com lojas físicas caindo no ostracismo — e suas ações se desvalorizando por tabela —, enquanto o e-commerce ganha espaço. Quem tem faturado com esse movimento é a Amazon, cujo valor de mercado chegou a quase US$ 408 bilhões — quase o dobro dos US$ 214,1 bilhões do Walmart.

Pioneira nas vendas on-line, a Amazon foi ganhando projeção e espaço na vida e nas compras em todo o mundo. Enquanto no Brasil a atuação da empresa ainda é limitada ao mercado literário e à venda de Kindles — aparelho para leitura de livros eletrônicos —, no exterior, ela oferece muito mais opções: de itens de supermercado a roupas íntimas e câmeras fotográficas. Já rolou até parceria para vender carro.

O Walmart não é a única varejista tradicional deixada para trás pela empresa de Jeff Bezos. Ela também faz com que pareçam ainda menores os valores de mercado bilionários de Macy’s (US$ 7,626 bilhões), Target (US$ 30,325 bilhões), JC Penney (US$ 1,1893 bilhão) e da L. Brands, controladora da Victoria’s Secrets (US$ 14,295 bilhões).

A discrepância fica ainda maior quando se compara o valor da Amazon contra os US$ 848,774 milhões da Sears. E, dentro da área original de atuação da Amazon, os livros, a icônica livraria Barnes & Noble também fica distante, com seus US$ 641,343 milhões de valor de mercado.

DE CARROS A ROUPAS ÍNTIMAS

E a Amazon parece querer se tornar onipresente: já lançou celular próprio (o Fire Phone, sem grande sucesso); uma assistente virtual (Alexa); um sistema em que basta apertar um botão para comprar determinado produto para a casa (que é entregue no endereço cadastrado no site da empresa).

Mas ela está longe de ser uma unanimidade. Na Europa, a Amazon é alvo de investigação sobre os contratos que firma com editoras a respeito de preços de e-books. Naquele continente, a empresa registrava seus lucros em Luxemburgo, um paraíso fiscal, o que permitia pagar menos impostos. Só em 2015 a companhia mudou suas práticas.

Leia mais: http://oglobo.globo.com/oglobo-21038764#ixzz4avVEsi7w
Fonte: O Globo
Tags: Varejo americano, Amazon, Ecommerce
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
vendas ipi e-commerce faturamento shoppings franquias supermercados comércio eletrônico natal economia consumo ecommerce veículos inadimplência comércio indústria crédito varejo preços são paulo

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront