Quinta-feira, 12 de Maio de 2016
Vendas no varejo do Brasil recuam 0,9% em março, diz IBGE Vendas no varejo do Brasil recuam 0,9% em março, diz IBGE
A fraqueza nas vendas de supermercados, móveis, eletrodomésticos e combustíveis levou o varejo brasileiro voltar a cair com força em março, levando o setor a fechar o primeiro trimestre com o pior resultado histórico em meio às crises política e econômica.

As vendas no varejo recuaram 0,9% em março, resultado mais fraco para o mês desde 2003 (-2,4%), após alta de 1,1% em fevereiro em dados revisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

Com isso, o setor fechou os três primeiros meses do ano com queda de 7,0%, pior leitura trimestral desde o início da série histórica em 2000. Na comparação com março de 2015, houve perda das vendas de 5,7%.

Os resultados foram bem piores do que o esperado em pesquisa da Reuters, que apontava expectativa de recuos de 0,50% na base mensal e de 4,50% na anual.

Entre as atividades pesquisadas, o destaque em março segundo o IBGE ficou para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, setor com maior peso na estrutura do comércio varejista, cujas vendas recuaram 1,7% em março sobre o mês anterior, após alta de 0,8% em fevereiro.

Também pesou a queda de 1,1% em Móveis e eletrodomésticos, que tinham registrado aumento das vendas de 6,1% em fevereiro. A atividade Combustíveis e lubrificantes apresentou perda de 1,2% em março, contra ganho de 0,3% em fevereiro.

"Houve forte influência dos hipermercados, refletindo a perda real da renda e a elevação do preços de alimentos, que são um item básico no orçamento das pessoas", explicou a economista do IBGE Isabella Nunes, destacando que os ganhos visto em fevereiro foram "um ponto fora da curva".

No varejo ampliado --que inclui veículos e material de construção-- o volume de vendas recuou 1,1% sobre o mês anterior, com quedas de 0,5% de Veículos e motos, partes e peças e de 0,3% de Material de construção.

As incertezas políticas somadas à recessão vêm agravando a falta de confiança de consumidores e empresários, num ambiente de aumento de desemprego e queda da renda, mantendo o setor varejista sob pressão.

Nesta quarta-feira, o Senado vota a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o que deve culminar com o afastamento dela do cargo por até 180 dias.

Em abril, a confiança do consumidor brasileiro medida pela Fundação Getúlio Vargas caiu pelo segundo mês, atingindo o menor nível da série histórica.
Fonte: Jornal Floripa
Tags: Vendas, Varejo, Ibge
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
varejo indústria faturamento comércio eletrônico ipi supermercados shoppings crédito ecommerce comércio preços franquias são paulo vendas consumo e-commerce inadimplência veículos economia natal

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront