Terça-feira, 12 de Abril de 2016
Perdas no varejo paranaense já chegam a 8,36% no primeiro bi Perdas no varejo paranaense já chegam a 8,36% no primeiro bi
O varejo paranaense teve nova queda no Paraná em fevereiro. O faturamento foi 2,48% menor na comparação com o mesmo mês de 2015. Em relação a janeiro, houve redução de 3,68% e no bimestre acumula baixa de 8,36%. Os dados são da Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR).

As lojas de departamentos amargaram os piores resultados, com -26,54% ante fevereiro do ano passado e -27,73% no acumulado do ano. Isso porque este setor, que comercializa bens de maior valor agregado, como eletrônicos e eletrodomésticos, deixou de ter os incentivos governamentais para linha branca e dependente da concessão de crédito para que o consumidor possa parcelar as compras.

Por outro lado, o ramo de vestuário e tecidos registrou alta de 7,37% nas vendas em relação a fevereiro passado. O setor também é o único a apresentar alta nos dois primeiros meses do ano, com elevação de 5,45%. Os supermercados (3,94%) e o comércio de móveis, decorações e utilidades domésticas (2,75%) também tiveram saldo positivo em fevereiro.

De acordo com o presidente da Fecomércio PR, Darci Piana, o ano começou ainda mais difícil para o comércio paranaense, em função da instabilidade política e da crise econômica. “O consumidor paranaense está descapitalizado e com receio de comprar, tanto que o consumo médio das famílias reduziu drasticamente. Se o governo continuar encurralado pelo embate político, sem mudanças significativas na condução da economia, a crise seguirá seu curso por mais um período, com perdas maiores nos bens de consumo duráveis, como os eletrônicos, dependentes da concessão de crédito e sujeitos a taxas de juros mais altas”, avalia.

Para o presidente da Fecomércio PR, enquanto os empresários do comércio calculam suas perdas no dia a dia, analistas preveem que o país levará uma década para recuperar os índices de crescimento. “As concessionárias de automóveis trabalham este ano para chegar aos números que tiveram em 2006. Ou seja, perdemos dez anos. Cerca de 180 mil empregos já desapareceram no ar, extintos pela mais rápida e devastadora crise que a nossa economia já viveu”, afirma Piana.

Postos de trabalho

De fato, o reflexo na queda do faturamento pode ser percebido diretamente nos postos de trabalho do setor terciário, que diminuíram 7,32% em fevereiro ante o mesmo mês de 2015 e acumulam minoração de 6,54% no bimestre.

Os setores que mais demitiram no acumulado do ano são as lojas de departamentos (-23,81%), calçados (-17,38%), concessionárias de veículos (-16,17%), combustíveis (-15,13%) e livrarias e papelarias (-13,57%).

Os salários também acompanharam o viés de queda, especialmente por causa das comissões sobre vendas, marcando redução média na remuneração de 4,91% no bimestre. Os colaboradores dos postos de combustíveis foram os que tiveram a maior diminuição nos salários, com – 24,77%, acompanhados pelos trabalhadores das lojas departamentos (-19,99%), livrarias e papelarias (-12,71%) e autopeças (-11,16%).

“Além da perda de patrimônio por parte dos empreendedores e dos empregos pelos comerciários, outro efeito perverso tem sido a preferência pelo comércio informal. Com menos dinheiro circulando, a opção passa a ser por quem oferece preço menor, resultado do não pagamento de impostos e do emprego de mão de obra não qualificada. É mais um fator deletério da crise, porque o contínuo processo de formalização do setor, que ainda tem 40% na informalidade, pode inverter a curva”, projeta Piana.

Análise regional

Na avaliação interanual (fevereiro de 2016 em relação a fevereiro de 2015), as regiões Oeste e Maringá são as únicas com faturamento positivo, com altas de 8,21% e 4,9%, respectivamente. Já no acumulado do ano, apenas a região Oeste apresentou elevação de 4,73% nas vendas, motivada principalmente pela safra de verão.

Os segmentos que mais se beneficiaram do bom desempenho do agronegócio na região que compreende os munícipios de Cascavel, Toledo, Marechal Cândido Rondon e Foz do Iguaçu foram vestuários e tecidos (49,09%), calçados (17,19%), materiais de construção (15,46%) e os postos de combustíveis (13,82%), que abastecem o maquinário agrícola e caminhões para transporte da colheita.

O varejo do Litoral teve redução de 10,39% em fevereiro, seguido por Curitiba e Região Metropolitana (-7,92%), Sudoeste (-5,65%), Ponta Grossa (-2,31%) e Londrina (-1,33%).

No bimestre, o Litoral também registrou a baixa mais expressiva, com -13,9%. Na sequência ficaram Londrina (-11,73%), Curitiba e Região Metropolitana (-11,53%), Sudoeste (-8,23%), Ponta Grossa (-4,22%) e Maringá (-2,88%).
Fonte: Paranashop
Tags: Perdas, Varejo, Paraná
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
são paulo e-commerce ipi supermercados franquias preços shoppings ecommerce veículos crédito faturamento comércio consumo indústria varejo vendas economia inadimplência natal comércio eletrônico

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront