Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015
Crise leva consumo a extremos de valor, diz estudo Crise leva consumo a extremos de valor, diz estudo
São Paulo - A crise econômica favorece as marcas que ficam nos dois extremos do espectro de valor: as mais baratas e as mais caras, deixando para trás aquelas no meio do caminho.

A conclusão é da multinacional inglesa dunnhumby, que entrevistou 700 brasileiros e analisou seu consumo em 6 categorias.

O cenário de crise levou dois terços dos consumidores a visitarem mais supermercados em busca do melhor preço, e 80% começaram a economizar em alguns produtos para poder manter o padrão no que consideram mais importante.

Para 30%, salgadinhos e doces são os primeiros a serem riscados da lista. Em seguida vem sobremesas e congelados, como hambúrguer e lasanha.

Os consumidores estão mais dispostos a trocar de marca para economizar em produtos de limpeza, higiene e perfumaria, além de massas, molhos e condimentos. 27% já mudaram de marca de shampoo e condicionador.

Recentemente, outra pesquisa da dunnhumby mostrou que os brasileiros muitas vezes preferem escolher embalagens menores ou uma marca de menor preço e qualidade para não precisar abrir mão da compra de alguns supérfluos.

É o cliente "econômico extravagante", uma adaptação da expressão em inglês "save and splurge". O comportamento acontece em todas as classes sociais, ainda que em graus e com trocas diferentes.

A maior fidelidade à marca é no segmento da cerveja: 81% dos entrevistados dzem que preferem diminuir o consumo sem mudar de marca ao invés de migrar para alternativas mais baratas.

A crise mexeu com os hábitos do brasileiro. 56% dizem que diminuíram o consumo de cerveja em bares e restaurantes e 40% passaram a tomar mais em casa para economizar.

A decisão faz sentido: no acumulado de 2015 entre janeiro e agosto, o preço da cerveja em domicílio caiu -0,2%, enquanto o da cerveja fora de domicílio subiu 7,1%, informou recentemente a CervBrasil.

Isso deixou a inflação final da cerveja em 4,5% entre janeiro e agosto - abaixo do IPCA geral (7,1%) e da categoria Alimentos e Bebidas (7,3%) no mesmo período.
Fonte: Exame
Tags: Consumo, Crise econômica, Marcas
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
e-commerce ecommerce faturamento supermercados indústria shoppings consumo comércio eletrônico comércio varejo são paulo ipi veículos inadimplência natal preços economia franquias crédito vendas

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront