Sexta-feira, 11 de Setembro de 2015
Oito dicas para administrar um e-commerce em tempos de crise Oito dicas para administrar um e-commerce em tempos de crise
Guiado por uma onda de recessão desenfreada, o Brasil segue rumo a uma estagnação ainda maior na economia. Nos últimos onze meses, o Banco Central promoveu sete altas seguidas na taxa básica de juros da economia brasileira, chegando a 14,25% ao ano - o maior patamar em nove anos.

No final do mês de maio, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a economia brasileira registrou queda de 0,2% no primeiro trimestre de 2015, puxada pelo desempenho negativo do setor de serviços e da indústria, bem como pelo recuo do consumo das famílias e dos investimentos.

A redução do consumo da família brasileira também pode causar impacto nas vendas do comércio eletrônico, por isso, empresários devem estar atentos às melhores formas de manter uma estabilidade e controlar os custos da sua loja virtual.

A previsão é positiva e estima-se que a receita do mercado de vendas on-line no Brasil deve atingir US$ 19,79 bilhões em 2015. Mas como para toda regra há uma exceção é importante que os empreendedores estejam preparados para enfrentar a crise de frente:

1. Controle financeiro no tempo das vacas gordas: Estando em tempos de crise ou não a empresa deve manter um controle financeiro rigoroso, cortando gastos desnecessários para evitar o endividamento, o que a ajudará a sobreviver num cenário de retração. A boa e velha planilha com projeções de receitas e gastos é indispensável. Nunca misture o montante destinado a investimentos com o dinheiro do caixa.

2. Considere mudar seus fornecedores: O período de crise é um bom momento para reavaliar seus fornecedores. Busque no mercado empresas que oferecem melhores condições de pagamento, preços mais em conta, mas que não represente a queda de qualidade do seu serviço ou produto. Você pode encontrar melhores opções e reduzir os gastos.

3. Investimento é prevenção: O primeiro pensamento quando as vendas começam a se desestabilizar é cortar e reduzir gastos, o que não está errado. Porém, nos momentos de crise os preços da indústria caem e, dependendo do seu negócio, pode ser a hora certa para investir em maquinários e softwares. Estamos falando de aquisições necessárias para otimização da sua atividade, que pode aumentar a produtividade e ajudar no faturamento em longo prazo.

4. Agilidade nas entregas: Essa dica vale para qualquer época. Quem realiza compras na internet está em busca de qualidade, preço e, claro, agilidade nas entregas. Mantenha um controle rigoroso do seu estoque para não correr o risco de vender um produto que esteja em falta. Além disso, defina um horário do dia para separar os produtos comprados e entregá-los ao Correios ou à transportadora. Não se esqueça de sempre atualizar o status do processo para que seu cliente possa acompanhar tudo pela internet.

5. Sua marca na rede: Lembre-se de não cortar verbas destinadas à Comunicação e Marketing. Sem divulgação as pessoas não conhecerão seus produtos e suas vantagens. Um dos pontos mais relevantes em tempos difíceis é captar e fidelizar clientes, já que com a economia retraída eles buscam as melhores condições possíveis. Hoje, com o advento da Internet, fica muito mais fácil gerar publicidade e atingir um número significativo de clientes em potencial através das mídias sociais, por exemplo. Lembre-se que a publicidade só traz resultados quando realizada de forma integrada e constante.

6. Dólar nas alturas: A alta do dólar representa um aumento significativo no preço dos produtos importados, isso quer dizer que a procura por produtos feitos no Brasil cresce bastante. Os empresários precisam aproveitar a oportunidade para pesquisar os produtos mais comprados no exterior e que se encaixam no perfil do seu negócio e investir na venda desses artigos, porém produzidos no Brasil. Antes de investir, é preciso avaliar se será possível ofertar esses produtos em melhores condições do que os importados.

7. 80% OFF: A forma mais antiga de atrair compradores é fazer promoções e ofertas imperdíveis. Abuse no pague dois e leve três, cupons de desconto, sorteios, frete grátis. Mas não se esqueça de fazer com que as ofertas cheguem aos ouvidos da massa.

8. Parcelado, à vista ou no boleto: Muitos clientes são fisgados pelas boas condições de pagamento e, muitas vezes, preferem comprar um produto um pouco mais caro, mas que possa parcelar em muitas vezes. Neste caso uma empresa intermediadora de pagamentos pode ficar responsável por todo o trâmite burocrático do sistema. O empresário pode vender parcelado em até 12x no cartão de crédito e receber o valor de uma só vez, sem prejudicar seu fluxo de caixa. Além disso, o intermediador de pagamentos fica responsável pela segurança da transação e evita que você caia em um golpe.

*Alexandre Fortes é diretor de marketing da Gerencianet, empresa brasileira especializada em soluções de pagamentos online, cobrança e gestão de clientes.
Fonte: Computerworld
Tags: Dicas, Ecommerce, Crise
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
faturamento comércio eletrônico varejo comércio franquias ecommerce natal veículos indústria shoppings crédito economia e-commerce ipi supermercados inadimplência vendas consumo preços são paulo

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront