Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015
Market place: espaço infinito de comercialização Market place: espaço infinito de comercialização
Há quase três anos, o Grupo Walmart abriu um escritório de comércio eletrônico em São Paulo para atender aos pedidos do Brasil e América Latina. Hoje, com mais de 1.500 funcionários dedicados a essa área, a marca enxerga grande potencial de crescimento no e-commerce brasileiro e tem a expectativa de cair nas graças dos consumidores ofertando experiência de compra, inclusive com a estratégia de market place.

Segundo Luiz Pimentel, diretor de Desenvolvimento de Negócios do Walmart.com, a ideia do Grupo é oferecer tudo em um só ponto com variedade de produtos e serviços, estimulando os empreendedores online do Brasil a se juntarem à marca. " Hoje, temos 400 lojas ligadas ao Walmart.com e deveremos chegar a mais de 1.000 até o final do ano. O potencial de comércio eletrônico no Brasil é infinito e nosso objetivo é crescer acima da média” acrescenta.

Para o diretor, o market place é uma área que apresenta uma grande curva de crescimento, pois é um espaço infinito para comercialização de produtos e serviços como aluguel de filmes e games; instalação de produtos como TV e aparelhos de ar condicionado; assinatura de revistas; viagens; e até mesmo serviço de descarte ecológico. "O market place entrega conveniência para o consumidor encontrar tudo num só ponto. É um atrativo muito relevante para os brasileiros que já gostam muito dos centros de compras físicos", completa.

Em termos de tecnologia, Pimentel aponta que é necessário contar com sistemas próprios para o comércio eletrônico que se integrem às plataformas dos shoppings virtuais. "Neste caso, o market place oferece APIs (ou aplicativos especialmente desenvolvidos) para conectar as lojas. No Walmart.com, temos nossa API que foi desenvolvida internamente", conta.

Um outro ponto importante destacado pelo diretor é a qualidade das imagens e descrição dos produtos comercializados no market place. A ideia é chamar a atenção dos consumidores para uma conversão em vendas. "Os desafios são muito grandes dada a necessidade de escala que o market place apresenta. Um varejista virtual tem que desenhar seu plano já imaginando que no futuro terá milhares de lojas ligadas ao seu site e milhões de produtos expostos para comercialização. Além disso, precisa ter um processo de filtro muito bom, para avaliar que lojas terão compromisso com o consumidor que reforce sua imagem de marca", completa Pimentel.
Fonte: Decision Report
Tags: Market place, Comercialização, Grupo walmart, Comércio eletrônico, Ecommerce, Empreendedores online
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
crédito veículos shoppings faturamento economia e-commerce varejo comércio eletrônico natal comércio preços inadimplência consumo ecommerce ipi supermercados franquias indústria vendas são paulo

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront