Quinta-feira, 20 de Agosto de 2015
E-commerce fatura R$ 18,6 bilhões no 1º semestre, diz Webshoppers E-commerce fatura R$ 18,6 bilhões no 1º semestre, diz Webshoppers
A E-bit/Buscapé, unidade especializada em informações do comercio eletrônico do Buscapé Company, divulga os resultados da 32ª edição do relatório WebShoppers, levantamento mais completo do setor que traça um raio-X do e-commerce. Segundo o estudo, o setor faturou R$ 18,6 bilhões no primeiro semestre de 2015, crescimento nominal de 16% na comparação com o mesmo período de 2014, quando se faturou R$ 16,1 bilhões.

O grande impulsionador deste resultado foi o tíquete médio, 13% maior em relação ao primeiro semestre de 2014, atingindo valor médio de R$ 377, justificado tanto pelo aumento dos preços no setor quanto pelo maior volume de vendas em categorias como Eletrodomésticos e Telefonia/Celulares. Ao total, 17,6 milhões de pessoas fizeram pelo menos uma compra em lojas virtuais brasileiras, contabilizando 49,4 milhões de pedidos neste período, o que representa uma queda de 7% no volume de compradores, que pode ter sido potencializada pelos light users, aqueles que costumam realizar ao menos um pedido na Internet por semestre, mas que dessa vez não compraram nada.

Categorias que vendem e faturam mais

Moda e Acessórios, apesar de ter apresentado queda se comparada aos primeiros seis meses de 2014, mantém a liderança em vendas por categoria, com 15% do volume de pedidos; logo atrás aparecem Eletrodomésticos, 13%; Telefonia/Celulares, 11%; Cosméticos e Perfumaria/Saúde, 11%; e Assinaturas e Revistas/Livros, 9%.

Por faturamento, Eletrodomésticos está no topo, com 25% de participação; seguida por Telefonia/Celulares, com 18%; Eletrônicos, com 12%, entre outros. Vale ressaltar que as duas primeiras categorias tiveram boa elevação de vendas, sendo que Eletrodomésticos apresentou aumento de 41% no faturamento diante do mesmo período do ano passado.

Uso de dispositivos móveis para compras online

Para esta edição, a E-bit/Buscapé realizou uma pesquisa exclusiva, com 2.204 usuários de Internet, em junho deste ano, para analisar alguns aspectos de comportamento quanto ao uso de dispositivos móveis em compras online. O estudo aponta que 83% dos e-consumidores respondentes possuem pelo menos um dispositivo móvel e a conexão por wi-fi (por smartphone ou tablet) em casa é o hábito mais comum de acesso à Internet para 84% dos participantes; seguido por wi-fi no trabalho, em 39%; e por operadoras, 36% pós-pago e 32% pré-pago.

Casa e trabalho são também os ambientes mais citados para as compras online, por 95% e 46% dos entrevistados, respectivamente; seguidos de casa de amigos ou parentes, 9%. O levantamento mostra, ainda, que 14% efetuaram a aquisição de um produto através de um dispositivo móvel estando dentro da loja física nos últimos seis meses, o que denota uma maior utilização dos aparelhos móveis dentro de lojas físicas, durante o processo da compra, para pesquisa de produtos, preços e lojas.

De acordo com o diretor executivo da E-bit/Buscapé, André Ricardo Dias, “a jornada do consumidor online certamente será impactada de maneira cada vez mais intensa pelos dispositivos móveis, afinal os smartphones estão nas mãos dos consumidores em praticamente 100% do tempo e essa percepção vale como chamariz para incentivar o investimento pelas empresas do varejo para o desenvolvimento de sites responsivos”.

Satisfação dos clientes pelo NPS

O NPS (Net Promoter Score), que mede a satisfação e fidelização dos clientes que realizam compras pela Internet atingiu, em junho de 2015, seu melhor resultado desde que a E-bit/Buscapé começou a aplicar a metodologia, chegando a 65%. No início do ano, o índice estava em 56,9% e cresceu gradualmente em todos os meses. Um dos fatores que contribuiu para o aumento foi, sobretudo, a redução nos atrasos das entregas (de 14,4% a 8,62%, do 1º semestre/2014 para 1º semestre/2015).

Quando o assunto é meios de pagamento, houve mudança na estratégia das lojas online para diminuir vendas parceladas. No primeiro semestre do ano, 54,2% dos pedidos foram realizados com pagamento à vista ou em até três parcelas. Neste ano, apenas 3,59% dos pedidos foram realizados com parcelamentos acima de 11 vezes, percentual menor que do ano passado, quando se registrou 7,95%.

Projeção para 2015

Para o acumulado de 2015, a E-bit/Buscapé prevê que o e-commerce alcance um faturamento de R$ 41,2 bilhões, 15% maior que no ano passado. Estima-se, também, um aumento de 5% no total de pedidos para o segundo semestre, chegando a um total de 108,2 milhões até o final do ano.

Índice FIPE/Buscapé aponta aumento dos preços

Pelo Índice FIPE/Buscapé, principal fotografia que analisa a variação dos preços praticados no comércio eletrônico brasileiro, considerando um período entre janeiro e junho de 2015, a variação acumulada foi de 3,73%, indicando recente aumento dos preços em geral.

Desde o início do estudo, em 2011, o índice registrou aumento no valor médio dos preços em apenas quatro períodos, sendo que, destes, três foram registrados somente no primeiro semestre de 2015. No total, a média de preços apresentou queda em 38 das 42 variações anuais, demonstrando a tendência do e-commerce em ofertar produtos com preços mais competitivos que o varejo tradicional.

A 32ª edição do relatório WebShoppers tem o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), E-Commerce Brasil e IAB, na divulgação dos dados para o mercado. O relatório completo estará disponível para download gratuito a partir desta quinta-feira, 20 de agosto, no site www.ebit.com.br/webshoppers.

(Redação - Agência IN)
Fonte: Agência IN
Tags: Ecommerce, Faturamento, Webshoppers, Ebit, Buscapé, Comércio eletrônico, Ecommerce
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
supermercados inadimplência vendas comércio franquias varejo ecommerce faturamento comércio eletrônico natal e-commerce consumo veículos são paulo shoppings ipi crédito economia indústria preços

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront