Terça-feira, 09 de Junho de 2015
RJ: Varejo cobra mais do que deveria por frutas e verduras RJ: Varejo cobra mais do que deveria por frutas e verduras
De acordo com a página, a caixa de tomate com 22 quilos, por exemplo, era vendida no fim de maio a R$100 na Ceasa do Irajá, Zona Norte do Rio, e do Colubandê, em São Gonçalo. Ou seja, os varejistas compravam o quilo a R$ 4,54. Mas, segundo a Ceasa Compras, esse mesmo produto era comercializado nos hortifrutis, feiras livres e supermercados entre R$ 9 e R$ 10, praticamente o dobro do preço no atacado.

Na terça-feira passada, o preço do tomate baixou entre 40% e 60% na Ceasa. A caixa do tipo “longa vida” (tamanho menor) estava custando R$ 40, enquanto a de tomate para salada saía por R$ 60.
“Apesar disso, apenas alguns comerciantes consideraram abaixar os preços ao consumidor. Fomos a sacolões e encontramos valores em torno de R$ 5,80, quando deveria custar pouco mais de R$ 3 ou R$ 4, contando margem de lucro e encargos sociais da loja”, informou a página Ceasa Compras.

Presidente da Associação Comercial dos Produtores e Usuários da Ceasa Grande Rio, Waldir de Lemos afirma que não existe uma tabela de preços para os varejistas. “Cada um coloca o seu preço. A regulação é feita com base na concorrência. O consumidor tem que pesquisar e, se for o caso, comprar em menos quantidade, porque força a ficar mais barato”, afirma.
O aposentado Carlos Pinto, 66 anos, se surpreendeu com o preço do tomate em um hortifruti da Lapa, Centro do Rio. “Levei um susto. O quilo do produto está quase R$ 7, é um absurdo. Sei que na Ceasa é mais barato, mas fica longe da minha casa. A gente acaba pagando caro pela conveniência”, avalia.

A engenheira Uiara Garcia Valente, 31, percebeu alta nas frutas. “São aumentos que fazem a diferença para quem ganha pouco”, diz.

Lemos acrescenta que muitas vezes os varejistas têm que aumentar os preços para compensar as perdas.
“Os próprios consumidores às vezes estragam legumes e frutas nos supermercados. Enfiam a unha no abacate para ver se está maduro, apertam o tomate, quebram o quiabo para ver se está macio. Não estou defendendo o varejista, mas sei que isso acontece. E o empresário acaba colocando preço maior para compensar os produtos que perde”, diz.

Mercado piora projeção para inflação
Analistas do mercado financeiro pioraram pela oitava semana consecutiva a estimativa para a inflação deste ano. Boletim Focus, divulgado ontem pelo Banco Central, aponta para uma inflação de 8,46% no fim deste ano — contra previsão de 8,39% da semana anterior.

Se confirmada, o indicador de 2015 atingirá o maior patamar desde 2003, quando ficou em 9,3%. A meta do governo é de 4,5%, podendo oscilar dois pontos para mais ou para menos.

Para o comportamento do PIB — soma das riquezas do país — neste ano, os economistas do mercado financeiro reduziram ainda mais a previsão, na semana passada, para uma retração de 1,3%. Foi a terceira queda seguida deste indicador. Até então, a estimativa era de um recuo de 1,27%. Se confirmado, será o pior resultado desde o ano de 1990, quando ficou em 4,35%.

Alimentos puxam taxa
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou 0,85% na primeira apuração de junho. A variação foi 0,13 ponto percentual maior do que a registrada no fechamento de maio quando a taxa alcançou 0,72%. O resultado é puxado pelo grupo alimentação, cujos itens ficaram, em média, 1,08% mais caros. Os que mais contribuíram foram hortaliças e legumes, com correção de 11,74%. A elevação anterior foi de 9,58%.

Também registraram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Despesas Diversas (2,67% para 4,45%), Educação, Leitura e Recreação (0,40% para 0,91%), Transportes (0,09% para 0,12%) e Comunicação (-0,07% para -0,04%). Para cada uma destas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: jogo lotérico (20,62% para 33,13%), salas de espetáculo (2,23% para 5,26%), gasolina (-0,04% para 0,14%) e tarifa de telefone residencial (-0,87% para -0,64%), respectivamente.

O levantamento, feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, refere-se à variação de preços coletados no período de 8 de maio a 7 de junho, comparados aos valores apurados de 8 de abril a 7 de maio.
Fonte: O Dia
Tags: Rio de janeiro, Varejo, Cobrança, Frutas, Vertiras, Hortifrutis, Feiras livres, Supermercados
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
veículos faturamento vendas preços varejo inadimplência comércio comércio eletrônico ecommerce economia franquias shoppings consumo crédito e-commerce ipi indústria natal são paulo supermercados

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront