O fenômeno do Showrooming O fenômeno do Showrooming
Por Ricardo Ramos


Recentemente, consumidores descobriram que é possível pesquisar e experimentar produtos em uma loja física e comprá-los por um preço mais barato em uma loja online. Esse fenômeno, conhecido como “Showrooming”, vem crescendo bastante, tirando o sono de varejistas em todo o mundo, e sendo debatido com grande intensidade nos últimos anos.

Estudos são realizados frequentemente para se descobrir as causas dessa prática, como combatê-la ou, até mesmo, se beneficiar dela. De acordo com uma pesquisa da GroupM realizada em 2012, 45% dos consumidores trocariam uma loja física para comprar online, caso encontrassem um desconto de 2,5%; 60% trocariam por uma diferença de 5%; enquanto 87% comprariam virtualmente por uma diferença de 20% no preço. Segundo o ClickIQ, 45,9% dos entrevistados que compraram nos seis meses anteriores à pesquisa afirmaram ter coletado informações em lojas físicas e finalizado a compra em um e-commerce.

Por outro lado, uma pesquisa realizada pela Oracle aponta que as principais razões para se comprar em uma loja física são a possibilidade de visualização do produto antes da aquisição (75%) e a vontade ou necessidade de obtê-lo imediatamente (44%). Também são levadas em consideração as alternativas de economia com frete e pagamento em dinheiro. 

Ou seja, vários fatores influenciam o consumidor na hora da escolha entre a loja física ou a virtual. Entretanto, o preço é a peça-chave desse quebra-cabeça. E, diante disso, a melhor maneira de lidar com o “Showrooming” é através da precificação inteligente. 

Monitorar a concorrência permite que uma loja identifique quais produtos estão com um preço muito acima do mercado. Desta forma, também é possível verificar quais produtos os concorrentes não têm em estoque e, assim, o vendedor - online ou offline - pode investir em promoções e até aumentar o preço dessa mesma mercadoria, ou oferecer outros produtos de interesse do comprador que estejam sobrando em estoque. Pode também selecionar quais mercadorias oferecem possibilidade de cobrir o preço de uma loja online e remanejar a margem de lucro para outro produto com maior procura e rentabilidade.

A precificação inteligente oferece várias alternativas, uma ferramenta fundamental, mas que deve ser utilizada em conjunto com outras soluções, como criar um balcão ou quiosque na loja física que ofereça a possibilidade de pagamento ou retirada de um produto comprado na loja online, além de um ótimo atendimento. O “Showrooming” chegou para ficar, e só depende do lojista descobrir qual a melhor maneira de lidar com esse fenômeno.


Ricardo Ramos é CEO da Precifica, a primeira plataforma brasileira de reprecificação inteligente. Site: www.precifica.com.br.
Tags: Marketing, E-commerce, Preços
13/12/2016 - Varejo: 11 tendências para vender mais em 2017
03/01/2017 - O Vendedor de Sonhos
07/12/2016 - As 3 maiores prioridades para o crescimento do varejo
03/04/2017 - 6 práticas que matam suas vendas
24/11/2016 - 10 dicas para o varejo enfrentar a crise no final do ano
10/03/2017 - 3 perguntas para identificar se o seu varejo é eficiente
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
vendedor treinamento negócios consumo comércio dicas cliente dicas de vendas vendedores desempenho ecommerce vendas varejista atendimento ao cliente marketing crise atendimento varejo sucesso relacionamento

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront