• Setembro de 2017
Home / Artigos / Vendas

Brechós invadem redes sociais e faturam até R$ 100 mil por mês

Que mulher nunca sonhou em possuir bolsas ou sapatos de grifes mundialmente famosas? O preço do luxo, porém, não é para qualquer bolso. Ou pelo menos não era, até o surgimento dos brechós virtuais, que vendem peças seminovas – algumas usadas apenas uma ou duas vezes – por até 50% menos que os valores cobrados nas lojas. O sucesso é tão grande nas redes sociais que o empreendimento chega a render um faturamento de até R$ 100 mil por mês.

O perfil de quem adquire e de quem vende estes produtos através da internet é jovem – entre 25 e 35 anos – e feminino, em sua maioria, afirma o presidente do Reclame Aqui, canal que intermedia consumidores insatisfeitos e comerciantes que ofereceram o serviço ou o produto. “É uma tendência de e-commerce. São peças caríssimas, que são usadas uma ou duas vezes. Esse é um mercado muito novo. E é um mercado com empreendedores jovens”, analisou Maurício Vargas.

“O que eu acho bacana nesse novo tipo de comércio é que o luxo se tornou mais acessível, e que as pessoas podem estar sempre trocando, variando e reciclando os produtos. Você não fica mais usando a mesma bolsa por anos a fio. O seu guarda-roupa ficou mais dinâmico”, contou a advogada de 35 anos, Helena Cavalcanti, que já comprou óculos, bolsas e também já vendeu uma bolsa através de brechó virtual.

Redes sociais

Um dos principais canais de venda dessas mercadorias é o Instagram – rede social de compartilhamento de fotos – e segundo 100% das empreendedoras que o G1 entrevistou, o canal é “um grande facilitador”. Para parte delas, “é o melhor veículo de divulgação”. De acordo com a carioca Cintia Lucas, de 34 anos, – que está há 7 em São Paulo – o canal é responsável por 40% das vendas. “O restante vem de clientes que compram novamente e de investimentos em anúncios”, disse a dona do Modificando Brechó, que possui 11 mil seguidores.

Segundo a empreendedora de Goiânia Maísa Zica, de 33 anos, a grande vantagem da rede social é que “ali não temos custo algum e conseguimos atingir o cliente que realmente tem interesse nos nossos produtos”, explicou a proprietária do Desapego do Luxo, que possui 13 mil seguidores. Para a garantir a qualidade dos itens, “é feita uma curadoria (…) escolho a dedo o que quero que entre”, afirmou Maísa.

Para as idealizadoras e responsáveis pelo BagMe.com.br – que possui 33 mil seguidores, um site na internet e trabalha ainda com o aluguel de peças –, Elisa Melecchi e Luiza Nolasco, ambas de 29 anos e do Rio de Janeiro, a vantagem do Instagram é que “antes ficávamos à mercê de grandes anunciantes da internet, como do Google Ads e Facebook Ads [canais de publicidade desses sites]”.

“Mas desde que houve a popularização do Instagram, mudamos o plano de marketing, passando a gastar bem menos com mídia online e hoje contamos muito com o engajamento do Instagram para crescer e vender cada vez mais”, completou Elisa.

Há ainda brechós que trabalham com produtos consignados. Neste caso, quem deseja se desfazer de um produto deixa sob a responsabilidade do brechó, que faz a venda e cobra para isso uma porcentagem sobre o valor da mercadoria, contaram as sócias Gabriela Salles e Any Koplin. "Não investimos em peças", afirmou Gabriela, uma das donas do Let It Go Brechó.

Bolsa de 70 mil dólares

O valor do item depende da marca, do modelo, de quão raro é o produto, e seu estado de conservação, mas tem como base o valor de mercado. “Já vendi uma Birkin da Hermès [grife francesa fundada em 1837] por R$ 28 mil. Na loja, custa cerca de R$ 42 mil”, contou Maísa, do Desapego do Luxo, explicando que esse foi o item mais valioso que já vendeu até a publicação dessa reportagem.

Elisa Melecchi, da BagMe, explicou que a bolsa da Hèrmes é “superexclusiva” e “tem lista de espera para comprar nas lojas”. “As mais básicas custam a partir de 10 mil dólares, mas podem chegar até a 70 mil dólares. O item mais caro que tivemos foi uma bolsa Birkin da Hermès, que foi vendida na semana passada por R$ 14 mil”, disse a empresária.

Fraudes e golpes na web

A aquisição de produtos de grifes internacionais pode, no entanto, tornar-se um problema. “Quando existe fraude, é porque a bolsa Louis Vuitton [maison francesa especializada em malas e bolsas] era falsificada. Mas nós percebemos uma coisa bem interessante nas análises dessas lojas: são empreendedores jovens e honestos, mas sem muita experiência do mercado. Então, eles pecam na emissão de notas, e na entrega”, salientou Maurício Vargas.

Tanto empreendedores em busca do objeto de desejo de seus clientes quanto compradores dessas peças estão sujeitos a golpes na internet. “Nós encontramos um suposto brechó no Nordeste que tinha uma bolsa Céline [grife francesa fundada em 1945 por Céline Vipiana] que adoramos e estava um valor muito bom.

Porém, a bolsa nunca chegou e a pessoa que estava vendendo sumiu, trocou o nome do Instagram e nunca mais respondeu. Ou seja, tomamos um golpe de R$ 3 mil. Demos queixa na polícia com o nome e CPF da pessoa que depositamos, mas nada aconteceu”, relatou Elisa.

A analista de administração de 29 anos, Tainá Oliveira, também teve uma experiência ruim ao adquirir um Ray-Ban - marca de óculos de origem americana que foi vendida para uma empresa italiana - pela internet. Apesar de já comprar pela web há dez anos, viu o produto pago não ser entregue. O vendedor que disponibilizou a peça através de um site que intermedia a comercialização de roupas e acessório sumiu, segundo ela.

“Recebi uma resposta do site falando que eu devia aguardar para ver se o vendedor não tinha enviado. Daí, no dia seguinte me informaram que colocaram um endereço errado que obviamente o correio não reconhece. Está dando como entregue, mas ninguém recebeu. Já comprei muito na internet e nunca acontecei isso comigo. Das outras vezes, eu tinha retirado [os produtos]. Dessa vez, como tinha recomendação, acabei caindo no conto”, explicou, afirmando que não sabe se voltará a comprar on line, apesar de garantir que “já economizou muito”.

Para evitar o risco de adquirir ou disponibilizar uma peça falsificada, Romênia Cardoso Luna, de 38 anos, informou que trabalha com um restrito grupo de fornecedores. “Noto que o maior questionamento das clientes é exatamente isso, então, não aceito ofertas de quem não conheço”, contou a dona do Abusei, Quero Vender, de Recife.

Já a escrivã aposentada Rosane de Paiva Baptista, de 53 anos, só compra em brechós que também possuem espaço físico. Após ver seu cartão de crédito "envolvido em compras de passagens aéreas fraudulentas, passei a ter cuidado de ver se tem loja física, escritório”. Rosane, que adora comprar bolsas, mas já adquiriu até óculos, tem três brechós preferidos e conhece pessoalmente a dona dos três.

Dicas de especialistas

Para Maurício Vargas, as “furadas” são as mesmas do e-commerce em geral. “Mas devem tomar muito mais cuidado porque é material usado”, ressaltou. “A grande dica é sempre ver a reputação da empresa antes de comprar. Como se faz isso? Pesquisando no Facebook, Google, vendo comentários, se vendem muito pelo Facebook ou Instagram, e lendo todos os comentários dessas lojas”.

O consultor sênior de e-commerce Marco Junior, que atua há 19 anos no mercado nacional e internacional, ensinou a melhor forma de realizar a busca na internet. “Experimente digitar o nome do brechó junto com a palavra ‘reclamação’ no Google. Exemplo: Brechó da Maria Reclamação, e analise a quantidade e o teor das reclamações”.

“Mas a dica mais valiosa é dar preferência para os brechós que operam com intermediadores de pagamento como PayPal, B-Cash, PagSeguro, entre outros, e claramente: evitando depósitos antecipados na conta corrente da vendedora ou do vendedor. Com um intermediador de pagamentos, o cliente poderá enviar uma reclamação se tiver qualquer tipo de problema com o produto”, garantiu.

Fonte: G1