3 atitudes para segurar o consumidor 3 atitudes para segurar o consumidor
Por Marisa Adán Gil 

O comportamento do consumidor costuma sofrer várias transformações em tempos de instabilidade econômica. “O que muita gente não percebe é que essas mudanças são permanentes. Mesmo que a crise acabe, o cliente não irá retomar os hábitos anteriores”, diz Adriano Araújo, CEO da consultoria de marketing Dunnhumby, que tem entre seus clientes Pão de Açúcar e Drogasil. A afirmação foi feita durante o 40 Fórum Nacional do Varejo, Consumo e Shopping Centers, evento realizado no último fim de semana ho Hotel Sofitel Jequitimar, no Guarujá, litoral de São Paulo.

Segundo pesquisa recente da consultoria, 59% dos consumidores brasileiros reduziram as compras, e 66% deles foram atrás de preços mais acessíveis. O surpreendente é que essa busca por produtos mais baratos não acontece em todas as áreas. Eles poupam em produtos mais básicos, como artigos de limpeza e perfumaria, mas continuam mantendo pequenos luxos como salgadinhos, biscoitos e bebidas, por exemplo. “O cliente pode até comprar sabão e pó mais barato, mas se recusa a trocar a marca da cerveja – ou do celular.” Esse tipo de atitude não ocorre só no Brasil. “O mesmo fenômeno foi observado na crise econômica europeia.” Outra mudança é a busca por produtos que tragam percepção de valor. “Ele passa a questionar: será que vale a pena pagar tanto por esse produto”. E vai atrás de artigos com o mesmo nível de qualidade, mas que posssam ser comprados por menos – entram aí os descontos e promoções especiais.

A experiência europeia comprova: depois que a crise passa, esses hábitos não desaparecem. “Agora que o cliente se acostumou a pagar menos por determinados produtos, nunca mais vai voltar atrás”, diz. É o varejista que tem que se adaptar a esse novo comportamento, oferecendo itens básicos a preços menores e atraindo clientes com promoções exclusivas - mesmo em tempos de bonança. Araújo sugere três atitudes básicas para reter o consumidor, durante a crise e depois dela.

1. Entenda as necessidades e as escolhas dos clientes. Para isso, será necessário recorrer a análises de dados que mostrem seu comportamento de compra, mostrando quais produtos considera básicos, e quais não pretende abrir mão.

2. Foque em quem já está dentro da sua loja. Quem investe nos clientes antigos ter um retorno sobre o investimento sete vezes maior do que quem tenta conquistar a freguesia da concorrência. “Você precisa vender coisas diferentes para esse cliente fiel e aumentar sua frequência de compra.”

3. Melhore a sua percepção de preço. Nem sempre é preciso baixar os valores: basta trabalhar com a percepção que o cliente tem da sua marca. “Ele precisa acreditar que a relação entre o que você entrega e o que cobra é justa.” Se enxergar valor no seu produto, não se importará em pagar um pouco mais por ele.

Marisa Adán Gil viajou a convite do LIDE – Grupo de Líderes Empresariais
Tags: Atitudes, Consumidor, Dicas, Varejo
13/12/2016 - Varejo: 11 tendências para vender mais em 2017
03/01/2017 - O Vendedor de Sonhos
07/12/2016 - As 3 maiores prioridades para o crescimento do varejo
03/04/2017 - 6 práticas que matam suas vendas
10/03/2017 - 3 perguntas para identificar se o seu varejo é eficiente
14/03/2017 - Quer vender mais? Conte uma boa história
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
atendimento varejo varejista comércio eletrônico dicas consumo sucesso vendedor crise negócios marketing ecommerce dicas de vendas cliente atendimento ao cliente vendas comércio treinamento consumidor vendedores

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront