2015: o ano que mudou radicalmente o varejo online brasileiro 2015: o ano que mudou radicalmente o varejo online brasileiro
Por Beni Harari

Este ano irá marcar o varejo online brasileiro por uma profunda transformação: será o ano em que a venda via marketplace virou realidade! Para quem ainda não está acostumado com o termo, ele significa: varejistas online, ao invés de comprar e vender produtos, passaram a “emprestar” seus espaços para que outros varejos vendam mediante a uma taxa de comissão. Quais são os impactos desta mudança e por que ela é tão relevante?

Trazendo um pouco de história para contextualizar, nos Estados Unidos a Amazon já vinha realizando a venda via marketplace há muitos anos, e lá elas já representam números próximos da metade das vendas totais do site. Na China, onde o Alibaba predomina como principal varejista online, 90% das vendas são feitas por este modelo. Isso abre espaço para todos que queiram vender seus produtos e tenham preços competitivos consigam entrar numa briga de igual para igual com os gigantes do mercado. No entanto, este modelo demorou para engrenar no Brasil e até 2014 não passava de uma estratégia secundária e complementar ao negocio dos grandes varejistas.

Só que tudo mudou em 2105. As vendas de marketplace saíram dos irrelevantes patamares citados anteriormente para algo próximo a 20% das vendas totais. Assistimos a uma corrida desenfreada dos grandes varejistas buscando novos parceiros para ingressarem em seus sites e vimos o consumidor se maravilhar a este “novo” modelo. Quem mais teve que se adaptar com esta mudança radical foi a indústria. Se em 2014 era razoavelmente fácil gerir o canal online através de, no máximo cinco varejistas que representavam a curva A de faturamento (acima de 70% do total), hoje existe uma dispersão muito maior. São centenas de novos clientes ou clientes que passaram a ter uma representatividade alta, com demandas especificas e com estratégias de precificação dispersas.

Outro aspecto deve pesar no crescimento da venda via martketplace. O governo anunciou o fim da MP do Bem para celulares, tablets e eletrônicos. Essa Medida Provisória gerava crédito de PIS / Cofins de 9,25% para o varejista (online e físico) na hora da venda para o consumidor. Se considerarmos que, segundo o EBIT, estas categorias representam mais do que 20% da venda do mercado online brasileiro, e que este mercado é regido por margens magérrimas, podemos prever que os grandes varejistas privilegiarão ainda mais parceiros de nicho que saibam vender estas categorias e focarão em ganhar a comissão deles em cima destas vendas.

Mas afinal, quem ganha com esta tendência virando realidade no Brasil? A meu ver, temos um ganha/ganha/ganha. Indústria se beneficia por ter mais clientes para vender seus produtos, o varejo se beneficia por ganhar um canal de vendas adicional e os consumidores ganham mais um balizador para comparar preços, disponibilidade de produtos e qualidade dos serviços prestados. Portanto, é extremamente bem vinda a chegada desta modalidade de vendas no mercado brasileiro.

Beni Harari é formado em administração pela Fundação Getúlio Vargas, trabalhou em Marketing e em vendas na Sony e na Samsung e, atualmente, é Diretor de Ecommerce da Allied.


FONTE E CRÉDITOS > E-COMMERCE BRASIL

Leia mais: http://www.blogdocallcenter.com.br/news/a2015-o-ano-que-mudou-radicalmente-o-varejo-online-brasileiro/
Tags: Ecommerce, Varejo online
28/04/2017 - Não dá mais para brincar de vendinha
03/04/2017 - 6 práticas que matam suas vendas
14/03/2017 - Quer vender mais? Conte uma boa história
10/03/2017 - 3 perguntas para identificar se o seu varejo é eficiente
28/03/2017 - Vendedor, o seu cliente é promotor, neutro ou detrator?
23/03/2017 - Dia do Consumidor – um dia que nunca termina
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
sucesso ecommerce varejo negócios relacionamento atendimento ao cliente crise treinamento marketing desempenho comércio consumo varejista vendas dicas de vendas cliente vendedor dicas atendimento vendedores

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2017 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront